quarta-feira, 16 de abril de 2014

Fábio Carvalho, e como Portugal tornou-o num artista da cerâmica.


Fábio Carvalho, artista brasileiro (Rio de Janeiro) esteve envolvido em projetos fulcrais no mapeamento da produção artística emergente no Brasil na década de 1990, quando iniciou a sua carreira. A sua obra já foi apresentada em 12 exposições individuais e em mais de 110 coletivas pelo Brasil e pelo mundo. Cerca de 70 de suas obras fazem parte de coleções públicas e privadas.

Fábio Carvalho.

Os seus trabalhos, intitulados “Macho Toys”,  surgem com a sobreposição e conflito entre os estereótipos de masculinidade (o soldado, os grandes corpos musculados, o cowboy, as armas  e maquinarias de guerra, etc.) e os elementos tradicionalmente atribuídos exclusivamente ao universo feminino ( padrões florais, porcelana, arranjos florais, etc.)

O mesmo acontece na sua série “Portugal – Lenços de namorados” de 2012, onde utiliza os tão conhecidos lenços dos namorados, tradicionais do Minho, que nos remete para um universo feminino de bordados, flores, corações e versos de amor. Onde através da inclusão de objetos do universo masculino, como as armas, cria uma nova imagem ao mesmo tempo interessante e subversivel.  


Bai feliz buando, no bico dum passarinho nº7, da série Portugal – lenços dos namorados, 2012 .  Bordado à mão com fios de lã, pérolas falsas, cristais falsos, missangas, renda industrial e passamanaria sobre toalha de mesa impressa com padrão de lenços de namorados .  125 x 125 cm

Fábio Carvalho é o que podemos chamar de “Homem do Renascimento”, não apenas pelo seu percurso educacional (biologia, informática, artes plásticas e música), mas também pelo facto de não ser um artista dedicado somente a um meio de expressão artística. Já trabalhou com desenho, objetos, colagens, bordados, instalações, fotografia, performance e vídeo. Todavia, ao longo de cerca de 17 anos nunca esteve envolvido com cerâmica artística, área esta onde sempre demonstrou interesse (nos últimos 9 anos tem vindo a fazer trabalho de pesquisa sobre a industria cerâmica no Brasil) mas nunca tinha tido a oportunidade de usar esta forma de expressão, até recentemente.

Em 2011 Fábio Carvalho foi convidado a participar no projeto “Bordallianos do Brasil” (www.bordallianosdobrasil.com),  onde 20 renomados artistas contemporâneos brasileiros foram convidados a vir a Portugal criar uma peça de arte baseada na obra de Rafael Bordallo Pinheiro. Uma personagem tão emblemática da cultura Portuguesa. O projeto pressupôs o encontro entre duas culturas que tanto têm em comum, assim como a fascinação e interesse que Bordallo Pinheiro tinha pelo Brasil. 

O projeto foi composto por duas fases: primeiro, uma residência artística em 2011, na fábrica de faianças artísticas Bordallo Pinheiro, nas Caldas da Rainha. As 20 peças resultantes foram produzidas, numa edição limitada e numerada de 250 unidades, e exibidas ao longo de 2013 no Brasil (Belo horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo) e em Portugal (Lisboa).

Durante a residência artística, Fábio Carvalho, criou a sua primeira peça cerâmica de sempre, o “Floreiro Archeiro”, peça do projeto “Bordallianos do Brasil” e criou ainda uma segunda peça, o “Medalhão Archeiro” que agora pertence ao museu da fábrica de faianças Bordallo Pinheiro.

Medalhão Archeiro durante a sua criação na fábrica.

Ambas as peças partilham o ponto de partida através do vaso archeiro de Bordallo Pinheiro e resultam de uma colagem de diversos elementos de outras peças cerâmicas de Bordallo. As próprias cores usadas nas peças foram alteradas de forma a remeter  a leitura para um universo brasileiro. Por exemplo o canário europeu teve as suas cores alteradas de forma a se converter num canário da terra  e o próprio archeiro viu as cores do uniforme alteradas de forma a tornar-se no uniforme militar usado durante os anos do Imperio no Brasil. Desta forma foi criada uma peça única e original que detém tanto do universo de Bordallo, da referência ao Brasil e da linguagem do próprio artista.

Vaso Floreiro Archeiro .  Faiança policromada pintada à mão .  2011/2012  .  43x24x24cm

Devido ao sucesso do seu “Floreiro Archeiro” Fábio Carvalho foi convidado para novas residências artísticas em Portugal, todas elas ligadas à produção cerâmica.

Durante o ano passado Fábio Carvalho passou 2 meses na Fábrica Vista Alegre, em Ílhavo, Portugal, onde participou do programa ID POOL, criado pelo designer francês Sam Baron. Durante a residência Fábio Carvalho criou várias decorações a serem aplicadas a formas já existentes de porcelanas.

Con Gratia et Privilegio .  Decoração criada para a Fábrica de Porcelanas Vista Alegre .  2013

Fábio Carvalho foi também convidado no final de 2013 pela Oficina da Formiga (www.oficinadaformiga.com), também sediada em Ílhavo, para participar em outra residência artística. A Oficina da Formiga é uma pequena fábrica que produz  peças de faiança com técnicas antigas Portuguesas que datam do século XIX.

Nesta residência o artista decidiu seguir um caminho diferente. Utilizar técnicas antigas da pintura em faiança para reproduzir os seus desenhos contemporâneos. Cada peça criada por Fábio Carvalho, na Oficina da Formiga, combina elementos de stencils já existentes com desenhos originais criados pelo artista no centro das peças.

Exército Monarca . Faiança policromada pintada à mão . 31cm . 2013


Durante este ano de 2014, Fábio Carvalho irá voltar novamente a Portugal para participar em outra residência artística em Alcobaça. Cidade onde a tradição da produção cerâmica remonta ao século XII.

A residência terá lugar na São Bernardo Ceramics, fundada nos anos 80 por Manuel da Bernarda, cuja família está envolvida na industria da cerâmica desde 1875.

O projeto e a curadoria da residência artística é de Maria de Fátima Lambert, curadora residente no Porto, atuante em todo o pais, bem como no exterior, incluindo o Brasil.

A São Bernardo Ceramics tem tradição na colaboração como renomados designers internacionais, como Gerald Gulotta, Jasper Conran, James Packer, John Rochas, Arnold Zimmerman and Nancy Smith entre outros. Além de Fábio Carvalho mais 2 artistas brasileiros e 12 portugueses farão parte desta residência artística.

Desta vez Fábio Carvalho pretende produzir uma peça de grande dimensão, de forma a experimentar e ampliar os limites da sua recente experiência em cerâmica. Posteriormente as peças de cerâmica produzidas serão expostas no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto.

Este ano, Fábio Carvalho foi também convidado a englobar um grupo de 10 artistas internacionais para criar, em Lisboa, uma peça de grande dimensão com os tradicionais azulejos portugueses. Estas peças serão montadas em fachadas de prédios devolutos.

Portugal tornou assim este artista brasileiro num também apaixonado artista de cerâmica.
Além de todas estas inclusões no mundo da cerâmica portuguesa, ao longo de outros trabalhos, Fábio Carvalho tem vindo cada vez mais a enaltecer e divulgar a cultura tradicional portuguese de uma forma ímpar.

Sem comentários:

Publicar um comentário